Monchique

Terra de colinas florestadas, pomares aromáticos e fontes naturais, a zona em redor da vila de Monchique convida-o a esquecer temporariamente a areia e as praias e a apreciar a beleza e tranquilidade do Algarve rural.

Situada na Serra de Monchique, que separa o Algarve da região fronteiriça do Alentejo, esta paisagem luxuriante de colinas ondulantes, florestas densas e rios puros é apelidada de “jardim do Algarve”. Esquecida durante muitos anos, já que a atenção se centrou no brilho dos resorts costeiros do Algarve, a paisagem arrebatadora e o ambiente tranquilo de Monchique mostram o seu encanto aos visitantes que hoje se aventuram pelo interior. A zona convida a fazer percursos pedonais, com trilhos que conduzem por sobreiros, castanheiros e pinheiros, por casebres pitorescos e pelos rochedos e vegetação dos picos mais altos. Uma caminhada até Fóia, o pico mais elevado do Algarve, com 902 metros, oferece vistas panorâmicas sobre as colinas vizinhas e a faixa costeira sul que se estende até Sagres.

O ritmo da vida quotidiana de Monchique é bem diferente da agitação dos resorts costeiros. Nas pequenas povoações aninhadas entre as colinas os artesãos mantêm vivas tradições seculares e os agricultores cuidam das suas hortas e laranjais enquanto o gado se alimenta nas pastagens. O fruto do seu labor reflecte-se na magnífica gastronomia da região, que continua a ser confeccionada através de métodos tradicionais. O chouriço e o presunto de porco preto, o mel produzido a partir das flores silvestres e o fantástico licor de medronho contribuem para a fama da gastronomia da região.

A vila de Monchique situa-se entre os picos de Fóia e Picota. É uma encantadora vila de ruas íngremes e calcetadas com casas caiadas, sendo o ponto de partida ideal para visitar as nascentes e descobrir as montanhas. A sua animada feira mensal é a ocasião perfeita para apreciar a gastronomia e o artesanato locais, composto sobretudo pelas características cadeiras de tesoura, peças de vime, cerâmica e roupas de malha. A Feira dos Enchidos Tradicionais em Março e a Feira do Presunto, geralmente realizada em Julho, são eventos anuais onde se podem ver e provar os melhores produtos de Monchique.

As pitorescas Caldas de Monchique, local das únicas nascentes termais do Algarve, situa-se cerca de 6 km a sul da vila, entre a exuberante vegetação das colinas vizinhas. As águas termais a 32°C têm vindo a atrair visitantes desde que os Romanos reconheceram as suas propriedades curativas e são hoje amplamente recomendadas pelos seus efeitos terapêuticos em doenças respiratórias, musculares e reumáticas. As Caldas são um refúgio atractivo, com elegantes casas do século XIX em volta da praça central e um belo parque florestal repleto de acácias, camélias e árvores centenárias. O som constante da água a correr pelos ribeiros, debaixo de pontes pedonais e nos fontanários, combinado com a luz reflectida na folhagem, cria um ambiente de paz e relaxamento que a levou a ser apelidada de “Sintra do Algarve”.

Locais a Visitar


Arquitectura religiosa em Monchique

Igreja Matriz de Monchique
Esta igreja dos séculos XV–XVI possui uma porta manuelina com colunas de pedra que se assemelham a corda torcida, um motivo que se repete nos capitéis da coluna no interior da igreja. Uma impressionante colecção de azulejos do século XVII adorna a abóbada e as paredes da Capela do Santíssimo, enquanto o invulgar altar da Capela de Nossa Senhora do Carmo terá vindo do antigo convento franciscano das redondezas.
O Núcleo de Arte Sacra de Monchique, situado na cave da igreja, expõe muitas obras de arte sacra.

Convento de Nossa Senhora do Desterro
Este belo convento franciscano foi construído no século XVII por ordem de Pêro da Silva, vice-rei da Índia que mais tarde aí foi sepultado. Ficou gravemente danificado durante o sismo de 1755 e após a abolição das ordens religiosas em 1834, os seus altares e estátuas foram levadas para outras igrejas de Monchique e Aljezur. A sua localização altaneira oferece vistas lindíssimas sobre a vila e as colinas vizinhas, enquanto a magnólia ancestral, alegadamente trazida da Índia pelo vice-rei, será a maior de toda a Europa.

Igreja de São Sebastião
Esta igreja foi construída em finais do século XVI, provavelmente na altura da visita do rei D. Sebastião, em 1573. As suas características mais notáveis são o altar Rococó em talha dourada e a imagem da Nossa Senhora do Desterro, que terá vindo do convento franciscano.

Natureza na zona de Monchique

Miradouro de Fóia
Erguendo-se a 902 metros acima do nível do mar, este é o pico mais elevado do Algarve. Nos dias mais limpos, é possível ver a linha costeira a sul, que se estende de Faro até ao Cabo de São Vicente, e a norte, que prossegue até à Serra da Arrábida, situada cerca de 40 km a sul de Lisboa.

Miradouro de Picota
Neste miradouro, situado a 774 metros acima do nível do mar, terá belas vistas sobre a costa sul.

Barranco dos Pisões
Situado no coração da floresta com um curso de água próximo, é um belo local para fazer uma caminhada e um piquenique à sombra do plátano centenário que aí cresceu. Nas redondezas, uma antiga azenha chamada “Moinho do Poucochinho” também merece uma visita.

Parque da Mina
Esta quinta do século XVIII, situada junto à entrada de Caldas de Monchique no Vale do Boi, oferece óptimas perspectivas sobre as antigas técnicas agrícolas desta zona rural. Outrora pertencente a uma abastada família da região, o interior da casa está decorado ao estilo da época, enquanto no exterior os visitantes podem ver uma reconstituição da destilaria tradicional do medronho, visitar uma mina antiga e ver centenas de animais de quinta, incluindo póneis, cabras anãs, porcos do Vietname, ovelhas e várias espécies de aves.

Faixa publicitária


Utilizamos cookies para fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a nossa utilização de cookies.